A escrita me possibilitou ser vários, ser quem eu quisesse ser. Ser mulheres, homens, animais, seres e coisas. Me possibilitou ser encontros e viver o que nunca imaginei. “Ser dois, ser dez e ainda ser um...”.

A escrita me possibilitou ser jornalista, publicitário, compositor, ator, roteirista, diretor, cronista, colunista, poeta e até cantor.

Dentro de todas as possibilidades a escrita me escolheu. E ser escritor me redime.